A medicina cubana como panaceia para todos os males

Muito interessante os argumentos sobre a problemática envolvendo os médicos cubanos no Brasil.  Vou citar a fala de uma artista que traça um quadro fragilíssimo da situação e culpa, ferrenhamente, o presidente eleito que ainda não tomou posse. Ela justifica sua critica ao seu conhecimento de regiões muito pobres do país, com diversas carências, inclusive saneamento básico, que receberam esses médicos de um Programa Federal que virou a panaceia para solução de todos os problemas.

Primeiro devemos entender que as condições de fragilidade socioeconômica no país, são resultado das formulações de política passadas que alimentaram tal quadro. Ou não? Quem são os verdadeiros responsáveis?

Outra situação é que a saúde e outras funções foram descentralizadas com a constituição de 1988, ficando os municípios responsáveis por solucionar tais problemas. Aliás o Governo Federal transfere recursos e disponibiliza programas em diversas áreas para apoiar os municípios. Podemos citar, mais recentemente, a política de resíduos sólidos, onde o Governo Federal bancava os municípios interessados em criar a sua unidade de tratamento de resíduos sólidos com o propósito de eliminar os lixões. Como exemplo, a Lei de 2010 até hoje não teve eco em São João da Barra, mesmo com toda pressão do Governo Federal.

Vejamos então que o problema não depende somente da permanência da medicina cubana. O problema está na falta de políticas de saúde básicas que, por sua vez, exige responsabilidade, comprometimento dos governantes locais. Isso envolve inclusive a abertura de concurso público para profissionais de saúde, assim como, um bom planejamento das mesmas atividades. Meus amigos, o pensamento pontual das questões induz a erros grosseiros. É necessário uma visão sistêmica de qualquer problemática.

Alcimar das Chagas Ribeiro
About Alcimar das Chagas Ribeiro 517 Articles
Economista, Mestre e Doutor em Engenharia de Produção. Professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense

2 Comentários

  1. AS ORIGENS DOS “MÉDICOS” CUBANOS

    Na antiga União Soviética (URSS) existia uma figura no serviço público de saúde denominada “Feldsher”, ou Feldscher em alemão, cujo significado literal era “aparador do campo”. Os feldsher soviéticos eram profissionais da saúde, formados em “saúde básica”, que intermediavam o acesso do povo à medicina oficial, em especial nas áreas remotas, rurais e periferias soviéticas, sendo uma espécie de práticos de saúde, ou paramédicos como são chamados hoje em dia, e exerciam cuidados básicos em clínica, obstetrícia e cirurgia às populações dessas regiões.

    Sua inspiração e nome derivavam dos feldscher alemães que surgiram no século XV como operadores de saúde (cirurgiões barbeiros) e com o tempo se espalharam ao longo do que foi o império prussiano e territórios eslavos, compondo a linha de frente também nas forças militares, sendo uma espécie de força militar médica nesses exércitos eslavos e saxões.

    Em vários países foram adotados como profissionais da linha de frente, atuando sempre nos cuidados básicos e em alguns casos chegando a se especializar em alguma prática específica, como optometria, dentista e otorrinolaringologia. Na Rússia começaram a se popularizar a partir do século XVIII.

    Diferentemente dos médicos, os feldsher possuíam uma formação mais curta e limitada. A duração do curso era de 4 anos e envolvia basicamente treinamento em ciências básicas e treinamento simples em ciências médicas clínicas, em especial medicina interna, serviço de ambulância e emergência pré-hospitalar e sempre tinha um espaço para treinamento militar, em campo de treinamento do exército, pois os feldsher estavam na linha de frente da nação, nas fronteiras.

    Eram 8 anos de colégio mais 4 em treinamento prático, considerados, portanto de nível técnico. Era um treinamento um pouco melhor que a de enfermeira, cujo foco era mais os cuidados básicos de saúde e técnicas/procedimentos de enfermagem.

    Os médicos soviéticos, ao contrário, levavam pelo menos 10 anos de colégio mais 7 anos de faculdade com carga horária total pelo menos duas vezes maior (estudavam todos os sábados). Apesar do tamanho valor de formação, seus salários eram ridículos, pois o regime socialista os considerava “servos do povo”.

    O sistema cubano de ensino médico reproduziu, a partir do encampamento da Revolução Cubana pela URSS em 1961, esse sistema de formação em saúde. Os médicos cubanos, de verdade, ficam lá em Cuba, em sua maioria. O que Cuba “fabrica” aos milhares, todos os anos, com projetos como a ELAM e demais faculdades, em cursos de 4 anos, não são nada além da versão cubana dos “feldsher” soviéticos. São paramédicos treinados para atuar em linha de guerra, campos remotos e áreas desprovidas em geral.

    A diferença é que Cuba “chama” esses feldsher de “médicos”, inflando artificialmente a sua população de médicos. Com essa jogada, Cuba possui um dos maiores índices de médicos por habitante do planeta. E isso permitiu outra coisa ao regime cubano: usar esses feldsher como agentes de propaganda de sua revolução e seus interesses não apenas dentro, mas fora de seu território.
    Ao longo de décadas o regime cubano vem fazendo uso do empréstimo de mão-de-obra técnica, paramédica, porém “vendida” como médica, para centenas de países a um custo bilionário que fica todo com o regime cubano. Literalmente, como na URSS, os feldsher são “servos do povo” (no caso, leia-se “povo” como Partido Comunista de Cuba).

    Recentemente a presidente Dilma lançou um demagógico e absurdo projeto de “resgate da saúde” do povo brasileiro às custas apenas da presença de “médicos” em locais desprovidos dos mesmos, aliás, por culpa do próprio governo.

    Em vez de pegar os médicos nacionais, recém-formados ou interessados, e criar uma carreira pública no SUS e solidificar a presença do médico nesses povoados, ela resolveu importar feldsher cubanos a um preço altíssimo, travestidos de médicos, ao que seu marketing chamou de “Mais Médicos”. Diante da recusa inicial, simulou-se uma seleção de nacionais, dificultada ao extremo pelo governo, para depois chamar os feldsher.

    O objetivo aqui é claro: o alinhamento ideológico entre os regimes, o uso de “servos do povo” para fazer propaganda do governo, encher o bolso dos amigos cubanos de dinheiro e evitar a criação de uma carreira pública que poderia ser crítica e demandadora de recursos. Como não podiam se assumir como fedlsher, jogaram um jaleco, os chamaram de médicos e os colocaram para atuar como médicos de verdade.

    Por isso as cubanadas não param de crescer. Por isso os erros bizarros, os pânicos diante de pacientes sintomáticos. Os cubanos não são médicos, são feldsher – agentes políticos com treinamento prático em saúde – que vieram ao Brasil cumprir uma agenda política e, segundo alguns, eventualmente até mesmo militar.

    São paramédicos. Isso explica as “cubanadas”. Se houvesse decência no Ministério da Saúde da gestão petista, retirariam o termo “médico” desse programa e seria mais honest.

    Fonte: Portal do Conselho Federal de Medicina em http://portal.cfm.org.br
    https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/11/16/ministro-diz-que-vai-propor-a-bolsonaro-chamar-estudantes-do-fies-para-substituir-cubanos-do-mais-medicos.ghtml

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*