O desperdício de recursos públicos em Campos fica evidente na análise comparativa

Campos dos Goytacazes não soube lidar com o excedente de receitas correntes possibilitado pelas rendas de royalties de petróleo. A tabela acima confirma essa tese. A edição do IFDM da Firjan de 2018/2016 mostra um índice moderado de desenvolvimento com a função emprego e renda bem próximo da classificação regular.

Na comparação com munícipios de outros estados, próximos em termos de população, Campos se apresenta em condições muito inferiorizadas. Uma comparação mais plausível talvez seria com o município de Florianópolis. Veja que a população é quase a mesma em 2018 assim como as receitas correntes no mesmo ano. Se considerarmos que Campos é um município produtor de petróleo e que portanto recebe royalties da Bacia de Campos, a classificação de alto desenvolvimento fica com Florianópolis.

Avançando um pouco mais na análise podemos verificar que as receitas correntes per capita nos dois munícios são muito parecidas, porém o percentual da população ocupada é de extrema diferença. Campos tem 18,7% da população ocupada e Florianópolis tem 63,9% no mesmo ano.

Essa diferença substancial ratifica a nossa visão de que Campos, além de reestruturar a máquina pública, precisa fomentar novas atividades produtivas com base em conhecimento e apoiar o processo de melhoria das atividade existentes. Planejar a organização de cadeias produtivas a partir de suas vantagens comparativas se constitui na estratégia fundamental. As discussões correntes trazidas pelas lideranças infelizmente não contribuirão para as necessárias transformações no município.

Insisto que a indicação para a solução fiscal e para a recuperação da capacidade de investimento público, exige que as lideranças politicas respondam as seguintes questionamentos:

1. Da estrutura governamental estabelecida, em que medida cada secretaria ou superintendência agrega valor a população?

2. Qual é a dimensão relativa estabelecida entre benefícios para a população e custos contratuais em relação as terceirizações de serviços?

3. Quais são os três projetos estruturantes prioritários para o bem estar da população no médio e longo prazo? Onde encontro os recursos para investimento e qual é a viabilidade econômica em termos de custos x benefícios?

Sem essas respostas teremos o mesmo do mesmo!

Alcimar das Chagas Ribeiro
Sobre Alcimar das Chagas Ribeiro 1537 Artigos
Economista, mestrado e doutorado em Engenharia de Produção e Pós-doutorado em Economia. Professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*