Porto do Açu avança para a posição de 3º porto do país. E aí, quais são os reais benefícios para São João da Barra?

O porto do Açu, em São João da Barra, iniciou a sua fase de operação com o carregamento de 80 mil toneladas de minério de ferro no navio “Key Light” com destino a China no dia 25 de outubro de 2014, segundo informação institucional.

Nesse mesmo ano foi registrado um incremento real de 78,23% no Imposto sobre Serviços (ISS) com base em 2013, considerando valores de 2019. Nos próximos anos até 2017, pode ser observado no gráfico a seguir uma trajetória de retração. Em 2017 a queda real atingiu 44,76% em relação a 2014. Nos dois anos seguintes podemos observar um movimento de recuperação da trajetória de queda, com crescimento de 18,3% em 2018 com base no ano anterior e crescimento de 51,14% em 2019 com base no ano anterior. O crescimento dos últimos dois anos, entretanto, não foram suficientes para superar a arrecadação de 2014 (somente três meses de operação). A arrecadação do ISS de 2019 foi menor 1,23% em relação a arrecadação de 2014, considerando valores reais de 2019.

Figura 1: Evolução do ISS em São João da Barra

Fonte: Elaboração própria com base nos dados do TCERJ.

Esses dados parecem conflitar com as recentes informações institucionais divulgadas por um executivo da organização. Em 2019 o porto do Açu se tornou o terceiro porto do país em função da substancial movimentação de cargas. A divulgação oficial é de que já são mais de 12 mil acessos no porto desde 2014.

Na construção da primeira termoelétrica (GNA) foram investidos R$4,5 bilhões e na segunda o investimento esperado é de R$4,0 bilhões. Em termos de empregos, o líder afirma que ao longo do processo de construção da GNA passaram cerca de 11 mil trabalhadores, sendo a maioria local.  

As contradições dessas afirmações podem ser verificadas na análise dos dados de emprego na figura a seguir.

Figura 1: Evolução do ISS em São João da Barra

Fonte: Elaboração própria com base nos dados do TCERJ.

Vejam que que o emprego no comércio evoluiu levemente no período de 2013 a 2015, declinando nos três anos seguintes. No periodo de construção da GNA, quando passaram 11 mil trabalhadores, sendo a maioria local, segundo afirmação do representante do porto do Açu, o emprego no comércio local caiu. Aliás a correlação entre o emprego no comércio e o emprego total nesse período é negativa em -0,00056.

Outra informação de difícil compreensão é sobre a evolução de status do porto, atingindo a terceira posição no país em termos de importância. Bem, a movimentação de emprego localmente não é compatível com a evolução desse importante empreendimento. O estoque de emprego no comércio em 2019 no município registrou 777 vínculos, volume menor 3,47% em relação ao estoque de 2013, um ano antes do início de operação do porto. Difícil!!

Alcimar das Chagas Ribeiro
Sobre Alcimar das Chagas Ribeiro 1537 Artigos
Economista, mestrado e doutorado em Engenharia de Produção e Pós-doutorado em Economia. Professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*